Ressonâncias das XXV  Jornadas da EOL

Ressonâncias das XXV  Jornadas da EOL

Celeste Viñal (EOL-AMP)
003---003---Luis-Salamone.-EOL.-AMP.-Sin-título.-Fotografía.

Manoel Motta. EBP. AMP. Variação Gidga.

As XXV jornadas anuais da EOL foram se convertendo, pouco a pouco durante o ano que levou a sua preparação, em um verdadeiro acontecimento que culminou nos dias 28 e 29 de outubro em Buenos Aires.

Desde a escolha de seu título estávamos advertidos dos desafios que o tema nos propunha como comunidade analítica: Hiperconectados nos defrontava com um superlativo   que devíamos dar conta como um significante da época, alheio a nossos conceitos usuais. O sub título “O psicanalista frente aos laços virtuais” nos animava a enfrentar as variações na posição com a qual o analista se coloca frente a seu tempo.

Foi contundente o rigor epistêmico que se demonstrou nos múltiplos trabalhos apresentados nas mesas simultâneas. Os analistas puderam demonstrar tanto em sua clinica como em seus desenvolvimentos que verdadeiramente se encontravam com sua época e seus desafios.

Nossos convidados internacionais foram Sérgio Laia e Maria Cristina Giraldo. Sérgio, com especial generosidade, trouxe sua importante perspectiva cheia de consistência.

Maria Cristina, primeira AE da NEL, nos ofereceu um magnifico testemunho de um ensino sem par.

As plenárias se destacaram por balancear as apresentações propriamente psicanalíticas e  a interlocução com outros discursos que nos auxiliam e interessam para poder pensar o tema. Marcada por  uma forte melhoria áudio visual, desta se aproveitou com agudeza utilizando os recursos áudio visuais existentes sem por isso trair uma tradição de pensamento.  Foi possível somar os benefícios e se pôr a trabalho.

O Passe teve lugar destacado, gerando os momentos de exceção que o dispositivo pode nos oferecer.

Em um clima de entusiasmo, convocados a trabalhar as questões da virtualidade, porém em presença, pudemos encontrar o bom tom que conviria para uma conversação prolongada e frutífera diante das especificidades das relações dos sujeitos com os gadgets, uma temporalidade acelerada, as relações mediadas pelos objetos técnicos e tantas outras particularidades (que foram do artístico ao educativo e do clinico ao antropológico, passando por muitas outras referências culturais e sociais modificadas pela época) que permitiram ir traçando de modo exaustivo e dialogado.

Nos alegramos que tenham sido umas jornadas de alta participação, férteis  no enfrentamento com os próprios preconceitos, com os desafios e com os novos modos de apresentação do humano.

Tradução:  Lenita Bentes

Comentários estão fechados.