Categoria de Arquivos

A ética na casa do inimigo

Verónica Carbone EOL-AMP A ética da psicanálise tem uma característica que é ao mesmo tempo um enigma: guarda a sua sobrevivência ou a justifica, quando o avanço fenomenal da tecnologia tira o pensamento do sujeito pensante. Quando nós psicanalistas falamos de ética, necessitamos esclarecer imediatamente: “da psicanálise”. Para explicá-la Lacan viu-se na necessidade de navegar […]

Moral ou ética?

Maria Bernadette Soares de Sant´Ana Pitteri EBP – AMP Diante da tautologia do terceiro excluído impõe-se um questionamento mais apurado. Correm mitos entre e sobre os brasileiros, povo “bonzinho”, sempre dá um “jeitinho” em tudo – dito assim mesmo, no diminutivo. Tais mitos são confirmados em nosso cotidiano? Bonzinhos? Que o digam índios escravizados e […]

Éticas no século XXI

Cristina Martínez de Bocca EOL-AMP Errâncias Quais são as consequências que os seres falantes enfrentam com a maneira que o mundo vive hoje a ausência de relação sexual? Há uma ética no século XXI porque cada época suportou de maneira particular o furo produzido pela língua. Há um “não há”, mas também um “há” e […]

A ética do singular

Gerardo Arenas EOL-AMP Parafraseando Lacan, digamos que ainda está para ser formulada uma ética que, baseada no respeito pelo modo singular de gozar, centrada na responsabilidade absoluta do sujeito, e delimitada pela dignidade, integre as conquistas lacanianas sobre o sinthome: para pôr em seu topo a renovada questão do desejo do analista. (1) Prematura sem […]

Um mercado da verdade?

Marcela Almanza NEL-AMP Parto de uma citação do Seminário VII de Lacan, “A ética da psicanálise”, para abordar algumas questões que atravessam nossa prática analítica hoje, não somente naquilo que concerne à época que nos cabe viver, mas também o que constitui o contexto mais imediato onde são geradas. Se sempre voltamos a Freud é […]

EDITORIAL – Rômulo Ferreira da Silva – EBP-AMP

Caros leitores Chegamos ao quinto número da Revista LACAN XXI. Nossos últimos encontros foram pautados pela queda da primazia do simbólico, pelo avanço do imaginário e pela abordagem propriamente psicanalítica do real. Escrevo esse Editorial no momento que estamos nos preparando para o Congresso da AMP, em Barcelona. Nele, as novas articulações dos três registros […]