Categoria de Arquivos

Para Dar o que não se tem…

Pablo Reyes* A definição do amor poderia levar-nos a extensos tratados, como o de Pierre Rousselot1. Em contraposição, Lacan preferiu um estilo aforístico para peneirar aquilo que está em jogo no amor, deixando a tarefa de decifrar os alicerces que sustentam seus enunciados. O aforismo “o amor é dar o que não se tem”2 é […]

Os autistas amam? Reflexões prévias ao ENAPOL

Marlon Cortés – Associado a NEL Medellín Quando me pus a investigar o modo como os jovens autistas se articulam ao mundo das universidades, recebia de meus colegas professores uma expressão de assombro, de quase espanto, pois lhes parecia bem estranho que um autista “conseguisse” chegar a universidade. Pois sim. Não só chegam, como, alguns, […]

Vítimas do amor, nas telas

Marcela Antelo* – EBP/AMP O sujeito de que se trata, aquele do qual seguimos o rastro, é o sujeito do desejo e não o sujeito do amor, pela simples razão de que não se é sujeito do amor; é-se ordinariamente, normalmente, sua vítima. (Jacques Lacan, 21 de fevereiro de 1962) A repetição, regra implacável, “mais […]

Amor demais!

Lídia Pessoa* O que pode nos ensinar sobre o amor na contemporaneidade a personagem – narradora do livro “Obsceno abandono” da escritora Marilene Felinto?1Qual é o nome do amor que escreve na sua narrativa? Podemos pensar a partir do conceito Lacaniano recolhido no Seminário 20, “que a mulher não é toda, há sempre alguma coisa […]

Não existe O amor?

Jamile César* Existem provas de amor Provas de amor apenas Provas de amor Não existe o amor Não existe o amor Não existe o amor não existe O amor Apenas provas de amor (Provas de amor, Titãs) Começo com este trecho desta bela canção do Titãs por que nele, assim como Lacan ao afirmar que […]

A(r)mar um corpo

Gimena Sozzi* Recentemente, Éric Laurent voltou a visitar a Argentina. Nesse contexto, ele aportou algumas ideias que me interessa interrogar já que considero que podem servir de orientação para pensar a função do amor na armação do corpo. Começo pelas pontuações que Laurent realizou na Conferência proferida no ato de entrega de seu título Honoris […]

Laços contemporâneos: gêneros e sexuação

Maria Bernadette Soares de Sant´Ana Pitteri – EBP/AMP Proliferação de “gêneros” se deve ao esgarçamento da Metáfora Paterna, o Nome do Pai não mais sustenta o sujeito e contém o seu gozo? As fórmulas da sexuação de Lacan oferecem um encaminhamento, uma resposta? O analista não pode ignorar as mudanças na civilização, e explorar a […]

Uma pequena “enormidade”

Patrícia Tagle Barton – Nel/AMP “Ora, o discurso analítico, por sua vez, traz uma promessa: introduzir o novo. E isso coisa incrível no campo a partir do qual se produz o inconsciente, já que seus impasses, certamente entre outros, mas em primeiro lugar, revelam-se no amor.”[1] Essa citação de Lacan em “Televisão” me permite abordar […]

Psicanálise e arte

A Graciela Allende. – EOL/AMP e Beatriz García Moreno. – NEL/AMP “…a única vantagem que um psicanalista tem o direito de tirar de sua posição, …, é a de lembrar, com Freud, que em sua matéria o artista sempre o precede…”1 Queridos leitores de Lacan XXI, O ensino lacaniano nos inspira, e a característica da […]