Algumas notas para RUA

Algumas notas para RUA

(3)Pizarnik, la palabra del deseoArtAlejandraKorek

“Pizarnik-La palabra y el deseo”. Artista: Ale Korek

Mario Elkin Ramírez

 

O contexto

A Universidade de Antioquia (Medellin-Colombia) é uma Universidade pública que tem 213 anos de funcionamento. Alguns psicanalistas da AMP somos professores vinculados a ela e nos reunimos em um Departamento de Psicanálise há 14 anos, junto a colegas que fazem parte dos Foros e de outros que não pertencem a uma Escola ou não tem nenhuma inscrição internacional.

O Departamento de Psicanálise ministra alguns cursos na graduação de filosofía, serviço social, psicología, antropología, historia e sociología. Cursos de introdução à psicanálise e alguns outros que tenham sido incluidos nos seus currículos ou como disciplinas optativas.

Mas a existência do Departamento de Psicanálise se deve aos projetos de pos graduação; uma Especialização em Infância e Adolescência, um Mestrado em Pesquisa Psicanalítica e um Doutorado em Psicanálise que está ad portas de iniciar.

Estes projetos dependem de um Grupo de Pesquisa que serve de suporte académico: Grupo de Pesquisa em Psicanálise, sujeito e sociedade, e que nos reúne em diferentes linhas de pesquisa, uma em Psicanálise e Filosofia, outra em Clínica Psicanalítica e outra em Psicanálise e Problemas Sociais Contemporâneos.

Possibilidades

  1. A Universidade realiza uma convocatória anual para apresentar projetos de pesquisa, algumas vezes temática, outras geral, da qual participamos com nossos projetos. Essas convocatórias são de quantia média (10.000 u$s) ou pequeña quantia (3.000 u$s). Esse dinheiro geralmente é investido em bibliografia, computadores ou outros equipamentos, material fungível (descartável) e no pagamento de alguns asistentes, geralmente estudantes da graduação.

É interesante destacar que a Universidade outorga, aos profesores vinculados que participamos desses projetos como pesquisadores principais, o tempo necessário para cômputo no trabalho, para dedicação a essa pesquisa que às vezes pode significar 1/3 do tempo (13 horas semanais). Neste contexto temos realizado várias pesquisas que chegaram a tornar-se livros. Orientamos vários trabalhos no Mestrado e sustentamos um Seminário de Linha de pesquisa permanente no qual, em reuniões semanais, acompanhamos os estudantes do Mestrado na construção e desenvolvimento dos seus projetos de pesquisa. Deste acompanhamento tem surgido mais de 80 trabalhos.

Destaco que hoje estou realizando uma pesquisa junto com François Sauvagnat da Universidade de Rennes, membro da École de la Cause Freudienne, com Andrea Guerra, da Universidade Federal de Minas Gerais, próxima da Seção Minas da Escola Brasileira de Psicanálise e eu, que pertenço à Universidad de Antioquia, membro da Nueva Escuela Lacaniana. Trata-se de uma pesquisa sobre Adolescência e Criminalidade, nas três ciudades e a partir de perguntas diferentes. Já temos realizado três coloquios, um em Paris, outro em Belo Horizante e outro em Medellin, para socializar os resultados.

Temos encontrado recursos e apoio nas diferentes universidades para realizar esta pesquisa assim como os colóquios e uma futura publicação com os resultados da pesquisa. Já foram publicados outros materiais como adiantamento da pesquisa.

  1. Existe, também, um grupo chamado Grupo Interdisciplinar de pesquisa sobre conflitos e violências. Temos participado neste grupo alguns psicanalistas da AMP junto a politólogos, antropólogos, trabalhadores sociais, comunicadores, criminologistas e sociólogos e temos realizado, ao longo de 10 anos, um trabalho de pesquisa formando, desta feita, um forum de pesquisa com estudantes destas disciplinas, assim como um observatório sobre violência junto com outras entidades da cidade e um grupo de base no qual já se formou uma geração de profissionais. Também realizamos algumas pesquisas interdisciplinares: Balanço dos estudos sobre violencia en Antioquia, Dinâmicas de Guerra e construção da paz na Comuna 13 de Medellin e A construção do inimigo no conflito armado colombiano. Todas estas pesquisas já foram publicadas. Também estamos preparando outra publicação sobre Os discursos da inimizade dos grupos armados com a sociedade civil.

Dificuldades

As dificuldades, no geral, consistem em:

que a convocatória da Universidade seja temática, o que faz com que não se enquadrem nossos interesses. Às vezes as temáticas estão muito focadas, como acontece com o sistema geral COLCIENCIAS, que é o ente colombiano, que se orienta para a produção de pesquisas cujos resultados derivam para a industria e as empresas. Há pouco investimento na pesquisa em ciências humanas.

  1. o modelo de pesquisa de COLCIENCIAS que rege nossa Universidade é um modelo norte- americano de avaliação o que significa que cada um ou dois anos COLCIENCIAS avalia os grupos, os pesquisadores e os productos e isto determina classificações e notas. Trata-se de uma rapina neolibeal na qual os grupos e colegas se tornam rivais pelas notas, os produtos, as classificações, porque muitas vezes disto depende o financiamento de projetos e o financiamento da sustentabilidade dos grupos. Da nossa parte temos conseguido, sem entrar plenamente nessa lógica, que alguns de nós sejamos, por enquanto, pesquisadores “senior” e “associado” e que nosso grupo tenha uma clasificação “C”.

 

Comentários estão fechados.