Scroll to top

2021 Volume 1


Category

Vídeo livro da artista

Alejandra Koreck. EOL/AMP JTVCZnZwbGF5ZXIlMjBpZCUzRCUyMjElMjIlNUQ=

lacan21 31 de maio de 2021

El amor no es para cobardes

Lavia Mariela - EOL/AMP Dos desconocidos están en una cabaña. Por el ventanal se ve caer el agua y más a los lejos se visualiza una laguna. Hace frío, el hogar a leña mantiene el ambiente cálido. Dos cuerpos se abrazan mientras disfrutan una taza de café y una buena charla. En la cabaña, la música de la lluvia permitirá que las miradas perdidas, tras la ventana, se encuentran en un abrir y cerrar de ojos. Un destello de luz que impide que se separen. La mirada de uno se conecta con la mirada del otro y es una conexión...

lacan21 30 de maio de 2021

Laberinto

Cínthia Busato - EBP/AMP Principalmente a la noche, en aquel largo silencio donde todo lo que no se dice grita. Por las paredes de madera se escuchaba el parloteo de las frazadas y, atento, intentaba saber por la respiración pesada si ella estaba sintiendo dolor. Él, duro como piedra. Mientras yacía respirando mal, se apaciguaba solo por fuera, adentro todo era ebullición. Intentaba rezar para que todo estuviera bien, pero su pensamiento vivo e insubordinado iba directo hacia adonde no debía.  Las dos pequeñas estatuas de marfil del living. En aquella casa simple de madera, construida por el padre hace...

lacan21 30 de maio de 2021

Soul

Giovanna Quaglia - EBP/AMP En SOUL verificamos la poetica que perfila el dibujo de la letra en el espacio, que resuena sin sentido, siendo un testimonio de que las pulsiones son en el cuerpo, el eco de un decir. Por eso, tomamos las palabras de la autora sobre su propia obra. ¨Sucede que estuve trabajando en el poema Soul y lo armè de otra manera. Respetando una poética del dibujo de la letra en el espacio, lo introduje en una pintura que ya había hecho¨.

lacan21 30 de maio de 2021

Concluir 

Silvia Bermúdez - NEL/AMP   Qué del amor cuando se deshace. El penar surca un cuerpo.   Ausencias, dolores.   Más allá de la travesía por el desamparo.   Inmenso vacío desvestido.   Un borde Un claro Un nuevo amor Sin servidumbres ni soledad ominosa Ligera Entonces qué? Hacia  un amor menos tonto.

lacan21 30 de maio de 2021

Poemas a un desconocido (un momento-dos voces) Esperanza

Frank Loreto Zapata - NEL/AMP   -Esperanzar no es encontrar, es buscar Es distinto estar vacío que lidiar con él Parecía que iba en bajada pero no construí un puente para taparlo Inventé con la página en blanco   Si el tiempo no fuera el mandato de una caída si la caída no fuera el escape a la vida tal vez pudiera reconocer mi propia abertura ...   Y ahí reconocer que no puedo hablar de ti Me guiaré solo por tu mirada imbuida, cuando la pasión se escribe con P. Aunque a veces me sorprendo mirando cualquiera de tus...

lacan21 30 de maio de 2021

Nueva Cartografía

Video Alicia Vilchansky. EOL JTVCZnZwbGF5ZXIlMjBpZCUzRCUyMjIlMjIlNUQ=

lacan21 30 de maio de 2021

Abrazos

Gabriela Cuomo - EOL/AMP  ¿Qué quedará del mundo que tuvimos? No sé si volveremos iguales o distintos. Más humanos quizás con lo impar del vecino.   ¿Tendremos el coraje de volver a abrazarnos? ¿La alegría, las ganas, la emoción de intentarlo?   ¿Qué quedará del gusto por vivir cuando esto haya pasado? De esa infección prefiero no curarme; y si es posible, contagiarme de otros. Porque está frío el mundo, y me falta ese abrigo.

lacan21 30 de maio de 2021

EDITORIAL Lacan 21 nº10

Iordan Gurgel - EBP/AMP Apresento-lhes o número 10 da Revista LACAN XXI da FAPOL, que tomou como causa de sua construção o tema do X ENAPOL – “O novo no amor. Modalidades contemporâneas dos laços”, com ressonância maior no amor. Em tempos tão difíceis, já anunciado por Romulo no editorial do número passado, nada mais razoável do que solicitar aos colegas para falarem daquilo que está na psicanálise desde o começo ou, mais precisamente, antecedeu mesmo o seu inicio. Afinal, não foi Breuer que, assustado com o amor de transferência, recusou continuar com o tratamento de Ana O? A história...

lacan21 30 de maio de 2021

Entrevista a Jacques-Alain Miller*

“Para amar, é necessário reconhecer que se tem necessidade do outro” – Jacques-Alain Miller O amor é um tema universal que desperta as mais variadas reflexões. O que, afinal, significa amar verdadeiramente? Na Psicanálise, não trabalhamos com respostas únicas e conclusivas. Ao contrário, buscamos ampliar a compreensão dos acontecimentos humanos. É disso que se trata a entrevista abaixo, sobre amor, com o psicanalista lacaniano Jacques-Alain Miller. A entrevista foi concedida à Hanna Waar, do Psychologies Magazine**, tradução de Maria do Carmo Dias Batista. Vale a leitura! Eis, a entrevista: A psicanálise ensina alguma coisa sobre o amor? Muito, pois é uma experiência cuja fonte é o...

lacan21 30 de maio de 2021

A psicanálise é uma cura por amor

Bernardino Horne - EBP/AMP É o amor que permite a instalação da transferência, e é ela, a transferência, que está no início da psicanálise.  Também é o amor que permite a ação no campo da economia da psicanálise e o segredo da sua vertente “cura”, na medida em que é ele que permite mutar o gozo em amor e desejo. No real buscamos o novo no amor. Nestas linhas desejo fundamentar brevemente estas afirmações. Transferência, amor e saber A transferência, cujo matema Lacan escreve em Proposição, se apoia naquilo que ele chama de seu “pivô”, ou seja, no Sujeito Suposto...

lacan21 30 de maio de 2021

Os analistas também amam?

Rômulo Ferreira da Silva - EBP/AMP O tema do X ENAPOL é muito instigante e abre inúmeras possibilidades de desenvolvimento. Fui convidado por Hilema Suárez, Diretora da Sede Caracas da NEL, para a atividade preparatória para o Encontro na SEÇÃO CART@S do Boletim ahh? Hilema apresentou reflexões sobre o amor perguntando o que ele nos ensina e faz avançar a psicanálise. Ela partiu do Seminário 4 de Jacques Lacan propondo um certo enigma na frase “Amar é dar o que não se tem”. Nessa perspectiva o amor aparece relacionado à falta, porém Hilema acrescenta com Lacan que não se deve...

lacan21 30 de maio de 2021

Uma vírgula (pro)vocativa do amor... ou por onde "entra"o amor?

Jessica Jara de Aguirre - NEL/AMP No primeiro argumento do X ENAPOL, Gabriel Racki pergunta: “Por onde entra o amor em tempos de “nada é impossível” e de nomeações de ferro?” Prossegue sua formulação na I Conversação: “por onde entra o amor quando não há amor ao saber, ao simbólico, ao pai, à tragédia, quando não abrem seus poros para perguntar-se por determinações inconscientes?” Ali, uma resposta a ser elucidada é: “um corte introduz outro tipo de animação para sua vida” *(2020). Para Lacan é no intervalo entre o Fort e o Da, onde tudo é inserido (1975). É entre...

lacan21 30 de maio de 2021

Entre o gozo e o desejo: A “Ventilação[1] Amorosa”

Gabriel Racki - EOL/AMP I – O analista ventila  O que é o desejo do analista senão a incitação decidida a qual o ser falante consente a ventilar o afeto parasitário e asfixiante condensado por alguns significantes de seu sintoma? A incidência sobre o afeto mortificante, até mesmo torná-lo “inofensivo”, é o modo simples em que Lacan formula a prática em “Palavras sobre a Histeria” . Sem pretender fazer da nossa clínica um procedimento científico-algoritmo que dê como resultado uma fórmula verdadeira que resolva a existência. Trata-se de um viés menos pretencioso e com corpo. Não é uma pura operação...

lacan21 30 de maio de 2021

Da solidão do Um às invenções na parceria amorosa 

Cleide Pereira Monteiro - EBP-AMP O amor será dar de presente ao outro a própria solidão? Pois é a última coisa que se pode dar de si (Clarice Lispector) Como o falasser se autoriza do feminino a partir da experiência analítica, promovendo mudança na esfera do amor e do laço com o Outro? Esta questão nos instiga a pensar sobre as transformações que o amor sofre em uma análise que chega ao seu término: do amor condicionado pelo pathos da repetição – amor atrelado ao sintoma, ao campo das identificações – ao amor com condições vinculado ao acontecimento de corpo,...

lacan21 30 de maio de 2021

O insosso no desarranjo de um amor

Andrea F. Amendola - EOL/AMP O analista parceiro Para psicanálise de orientação lacaniana, o amor pulsa no coração da experiência analítica. O analista faz uso do amor de transferência, quer dizer, com seu ato, manobra através dela a direção da cura enxertando o desejo do analista nas combustões do desejo e à pulsão ao apontar a novos arranjos com o gozo. Lacan em “A Terceira” diz que um psicanalista é responsável por um discurso que solda o analisando ao par analisando-analista.1 Aí, o analista está disponível como parceiro para o sintoma do analisando e vale-se para isso do desejo do...

lacan21 30 de maio de 2021